Bem-Aventuranças

As Bem-Aventuranças de Pe. Pierre Bonhomme

Ele mesmo fez o comentário de cada Bem-Aventurança (Mt. 5, 1-11). Transcrevemos aqui uma síntese de suas reflexões:

1ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que têm espírito de pobre…”
Esta Bem-Aventurança se opõe ao mundo que afirma: “Felizes os ricos… tudo aí obedece ao dinheiro”. Quanto a vocês, devem fazer consistir sua felicidade não em possuir, mas em despojar-se por amor a Deus… pode-se ser pobre por necessidade ou por escolha, que é o vosso caso…
Os que têm espírito de pobre, possuem um coração livre, desapegado…
Jesus Cristo quis ser pobre em seu nascimento, durante a vida e em sua morte.

2ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que são mansos…”
Esta Bem-Aventurança faz frente ao mundo, onde as pessoas gostam de zangar, disputar, para fazer valer seu sentimento e vingar uma afronta. A mansidaão apenas para evitar as desordens, as brigas, toda pessoa é capaz. Ser manso apenas porque é lei de Deus, é dever de todo cristão. Ser manso por amor a Deus, pelo desejo de se assemelhar a Jesus Cristo, esta é a verdadeira mansidão que vocês devem abraçar. Pratiquem a mansidão para com todos em em todas as circuntâncias e qualquer que seja a ingratidão de que poderão ser alvo.

3ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que choram…”
Esta Bem-Aventurança está em oposição ao mundo que só ama os prazeres. A pessoa que vive esta Bem-Aventurança, não é escrava de elogios, de adulações, mas é humilde, afável, respeitosa para com todos. Há lágrimas inúteis derramadas para chorar a perda de bens materiais. Há lágrimas abençoadas que choram a infidelidade, a incoerência diante de Deus.

4ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que têm fome de justiça…”
Esta Bem-Aventurança faz oposição ao mundo, que faz e deseja o mal. A fome e sede de justiça consiste em fazer e em desejar fazer somente o bem. Seu coração não se apega aos bens da terra, mas busca a oração, a comunhão, o bem de seu próximo. Precisamos nos deixar devorar pela fome e sede de justiça, conforme o proceder de Jesus, cujo “alimento era fazer a vontade do Pai”.

5ª Bem-Aventurança:
“Felizes os misericordiosos…”
Esta Bem-Aventurança se opõe à insensibilidade, ao desprezo e à injúria do mundo a respeito dos infelizes. Vivem esta Bem-Aventurança os que não limitam sua misericórdia nem ao tempo, nem às pessoas, e a exercem sem esperar recompensa. Devemos praticá-la com todos os infelizes indistintamente e sem outra finalidade senão o amor de Deus. “Jesus passou sobre a terra fazendo o bem”.

6ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que tem coração puro…”

Esta Bem-Aventurança se opõe ao mundo, cujo coração e espírito estão escravos do pecado. Precisamos purificar o espírito, a memória, a vontade, evitando alimentar pensamentos negativos, julgamentos, conversas não construtivas, atitudes que prejudicam como o orgulho, a vaidade, a auto-suficiência, o desejo de agradar aos outros e não a Deus. Felizes os que têm esta pureza de coração, porque tudo o que fazem se torna agradável a Deus, e os prepara para a comunicação de Deus. Quanto mais puro o coração, mais reletirá a beleza divina.

7ª Bem-Aventurança:
“Felizes os pacíficos…”
Esta Bem-Aventurança se opõe ao mundo que apresenta a discussão e a discórdia como valores. Os pacíficos gostam de viver em paz com todos, obedecem com docilidade a Deus e procuram estabelecer a união entre os que estão divididos pelo ódio, inveja ou antipatia. Os pacíficos serão chamados filhos de Deus, à semelhança de Jesus que veio estabelecer a paz entre os homens e reconciliá-los com o Pai. Mil vezes feliz a comunidade que possui religiosas com o espírito pacífico!

8ª Bem-Aventurança:
“Felizes os que sofrem…”

Esta Bem-Aventurança se opõe ao mundo que não suporta as contradições, os sofrimentos, porque está sedento de elogios, louvores, aprovações… ser injuriado, escarnecido, ridicularizado por ser coerente com seus deveres de cristão, é sofrer por causa da justiça. Felizes são os que podem compreender que o bem que fazem nunca é melhor recompensado que pelas calúnias, pelos insultos, pela ingratidão e mesmo pela morte. Eis aí a 8a. e suprema Bem-Aventurança. Felizes os que conseguem compreender que é mais fácil fazer grandes coisas, que sofrer a perseguição que nos assemelha a Cristo. Feliz a religiosa que compreende e vive esta Bem-Aventurança. Nela encontrará a felicidade. Para Jesus: “foi preciso que Ele sofresse e assim entrasse na glória”

Ano da Misericórdia

Ano da Misericórdia

CNBB

CNBB

CRB

CRB

Site da França

Site da França