Além das Fronteiras

Filipinas

A presença das Irmãs Calvarianas no Continente Asiático, foi um sonho acalentado por longos anos. E a porta de entrada foram as Filipinas, onde as Irmãs chegaram em 1999. Eram 4 brasileiras que responderam ao apelo da Igreja para que os Religiosos e Religiosas voltassem seu olhar para este Continente mais populoso do Mundo.

Nas Filipnas as Irmãs se ocupam de três grandes projetos : O Projeto de Nutrição, que acolhe crianças de 3 a 6 anos de idade que moram nas favelas.

Além das refeições, as crianças são preparadas para a escola pública. O Projeto de Apadrinhamentos que conta com a ajuda dos padrinhos e madrinhas da França e do Brasil, para permitir a escolarização de crianças e adolescentes pobres. O Projeto que se ocupa de uma escola infantil, cujo prédio foi construído sobre o antigo lixão. Nestes programas as Irmãs se ocupam também das famílias de todas estas crianças.

Vietnã

Após 10 anos de presença Calvariana nas Filipinas, a Congregação realiza uma nova Fundação em Ho Chi Minh, no Vietnam do Sul. Como o Governo do Pais coloca restrições à entrada de novas Congregações estrangeiras, as jovens vietnamitas foram se preparar, na França. Além do Noviciado, elas fizeram cursos de Teologia e Cursos Acadêmicos.

Neste ano de 2009, seis dentre elas, partem para a Àsia. Três irão reforçar a comunidade das Filipinas. Outras três, juntamente com 2 Irmãs francesas, constituirão a primeira comunidade Calvariana no Vietnã.

Outras dez jovens vietnamitas se preparam na França para reforçar a Missão no Vietnam. Inicialmente elas desenvolverão seu trabalho junto às minorias etnicas, que são as mais pobres e necessitadas.

Costa do Marfim

Respondendo ao apelo lançado pelo Papa Pio XII através de sua Encíclica “Fidei Donum”, de 21 de abril de 1957, as Irmãs Calvarianas se estabeleceram em Soubré, Costa do Marfim, em 1959. Assumiram a escola da Missão e o Dispensário para atender os doentes que eram numerosos.

Dois anos depois, novas Comunidades foram abertas, por Irmãs francesas e brasileiras, que se ocupavam da Educação, da Catequese, das Pastorais e da Saúde. Montaram um “posto” de saúde ambulante, para atender os doentes dos “Villages” e da zona rural. Havia ainda uma atividade chamada “Animação Rural” que oferecia cursos de corte e costura, de alfabetização de adultos e outros. Hoje as Irmãs continuam atuando na área da Educação, da Saúde, na Catequese, nas CEBs, nas visitas às famílias e no trabalho com o deficientes.africacalvarianasfinal

Guiné

Na década de 90, o Conselho Geral da Congregação começou a pensar numa fundação fora da Costa do Marfim. E o lugar escolhido foi a Guiné. Este pais ficou de 1958 a 1984, governado pelo Presidente Sékou Touré que era um verdadeiro ditador. Ele tomou as escolas de todos os missionários, e expulsou os religiosos e religiosas do pais. Este Presidente morreu em 1984. Os militares assumiram o governo. Pouco a pouco os religiosos foram voltando e as escolas foram sendo devolvidas aos missionários. Na ausência dos religiosos e religiosas, foram os leigos que asseguraram a catequese e guardaram as Igrejas. Mas eles precisavam agora de reforço. As Irmãs Calvarianas se estabeleceram na Guiné e tendo como objetivo, a evangelização. E foi isso que elas fizeram e estão ainda fazendo. Elas se ocupam também de uma pequena escola infantil.

Ano da Misericórdia

Ano da Misericórdia

CNBB

CNBB

CRB

CRB

Site da França

Site da França